segunda-feira, 18 de outubro de 2010

A Igreja do Diabo e Outros Contos - Machado de Assis.


O homem que morre sem ler Machado de Assis morre duas vezes. Machado é um autor que não canso de reler. E a cada releitura algo novo surge. Nessa minha releitura de A Igreja do Diabo e Outros Contos, que traz alguns dos contos de Histórias Sem Data (1884), Machado me mostra porque é um dos meus escritores preferidos. Seu olhar irônico e cruel sobre a sociedade é ainda mais fascinante nos contos do que nos romances. Pela sua extensão mais breve, temos nos contos de Machado maior lirismo, e seu humor peculiar me parece melhor explorado. Através de estórias breves as máscaras humanas são reveladas, e Machado traz aquilo de mais podre que o homem guarda. Crítico sutil do homem e da sociedade, nosso mestre da literatura soube fazer com maestria o que poucos conseguem: denunciar com estilo. Com muito estilo.

7 comentários:

Marcelo R. Rezende disse...

Eu cortei relações de afeto com Machado depois de Dom Casmurro. Acho A SACANAGEM ele não ter dado voz à coitada da Capitu. Mas não se pode negar quão fascinante é ler um conto dele. Concordo que ele se mostra de forma mais artística nos contos, até porque o espaço é menor, as palavras, cada uma delas, tem efeito necessário e não de preencher espaço, como num romance.

Deu vontade, rs... Como sempre!
Beijo, bRu!

Franck disse...

Vindo aqui conhecer sua casa virtual...e,sigo-o! Abçs!

Atreyu disse...

Eu gosto muuuuuuito mesmo de ler, mas nunca li nem se quer um livro dele, não vou mentir
Trágico!

Athila Goyaz disse...

Já li esse conto no pré-vest. rsrs

Muito bom alias.
abraços!

Dario Dariurtz disse...

Sou suspeito para falar de contos, pois adoro contos, é o que eu mais leio. Machado então, nem se fala. Meu conto preferido dele é "A Caolha", ou seria "Caolha", agora não consigo lembra, mas o que mais gosto no Machado de Assis é a atualidade, ele é universalmente atual.

Abraços

Marcelo R. Rezende disse...

Saudade de você, belo!

fauller disse...

Como você me inspira com a sua escrita. Confesso, que ao ponto de estar desejando cursar letras, e se isso me acontecer a culpa será toda sua.
rsrsrs

Cheirinho,
Fauller.