domingo, 19 de dezembro de 2010

O Assassinato E Outras Histórias - Anton Tchekhov.


É difícil para mim escrever sobre o Tchekhov. Este foi o meu primeiro contato com sua literatura, e quem já leu Anton Tchekhov sabe da densidade de sua escrita. Não gosto de comparar escritores, pois cada escritor (bem como cada obra) é único, tem seu estilo, sua escrita, mas confesso que ao ler o escritor russo, o nosso brasileiríssimo Machado de Assis me vinha muito à mente. Assim como Machado, encontramos na obra de Tchekhov (pelo menos na antologia de contos que li) uma crítica muito bem escrita da sociedade. Tchekhov consegue retratar o quadro da Rússia da época e fazer daquelas estórias, passadas em pequenos povoados, estórias universais por seu caráter humano, como fez Machado quando retratou a sociedade do Rio de Janeiro na época em que escreveu. Tchekhov não é o fotógrafo que registra uma foto de um determinado momento. Tchekhov é pintor, que com suas pinceladas nos faz enxergar o que há de humano por trás da imagem que nos mostra. Por vezes irônico, por vezes cruel, mas sempre com uma escrita fascinante, o escritor russo vai compondo um quadro maior do que o que aparentemente ele quer mostrar. Não há como o leitor ficar apenas na superfície. Em Tchekhov se faz necessário mergulhar mais profundamente, esgotar o texto e suas possibilidades de leitura. Como nos contos de Machado, a minha leitura dos contos de Tchekhov me fez lembrar que não importa o lugar onde se esteja, o ser humano sempre traz dentro de si os sentimentos mais assombrosos que podemos imaginar. É universal, seja no Brasil, seja na Rússia, seja em qualquer outro lugar do planeta. A natureza humana é assustadora.

8 comentários:

Priscilla Marfori... disse...

Passando e como sempre admirando...

B-Jos. e alegre domigo.

Kivia Nascentes disse...

Eu mal tenho tido tempo para ler. E quando quero ler e me entrego a leitura, eu leio cada linha pensando em mil coisas, e ao fim da página não sei nenhuma das palavras que passaram por meus olhos.

gosto daqui (:
beijos.

Felipe Faverani disse...

Oi, Bruno, tudo bem?
Fico muito contente que tenha voltado, aprecio muito a sua opinião sobre os livros que lê.
Conheço Tchekhov porque sou muitíssimo fã da Literatura Russa, é um dos meus contistas favoritos de todos os tempos. Não sei se nesse livro que leu se encontra um conto chamado "Um Caso Médico", mas esse conto em si mexeu muito comigo quando o li pela primeira vez. Lembro que pensei muito após a sua leitura. Se não o leu, recomendo que o leia.
Espero que esteja tudo bem por aí. Abraço.

Palavras Vagabundas disse...

Bruno, naõ tenho certeza se foi Tchecov ou outro escritor russo que disse, "se escrever com verdade sobre sua aldeia, estara falando do mundo". Gostei muito de sua resenha, me deu vontade de reler.
abs
Jussara

Marcelo R. Rezende disse...

Como sempre, não li, mas tá na lista.

João Francisco Viégas disse...

FELIZ NATAL MEU BLOGUEIRO LETRADO!

ABRAÇÃO!

fauller disse...

E o melhor de todo esse lado sombrio que todos nós temos, é saber que só dividimos com quem queremos dividir, e por quanto tempo queremos dividir.

Bj.

Felipe Faverani disse...

Oi, Bruno, tudo bem?

Obrigado, ser admirado por alguém que compartilha da mesma paixão pela arte e pela Literatura é algo muito bom! Sempre que puder dividir com você um texto que tenha apreciado, que tenha me tocado, eu com certeza irei, pois sei que você lerá com carinho. Muito obrigado pelo seu comentário e pelos parabéns!