sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Tudo se confunde

Não. Escrever não é fácil. Pode ser qualquer coisa, menos fácil. E acredito que quanto mais o tempo vai passando, mais difícil vai ficando. Já agora não sei como continuar. Não sei se coloco uma vírgula, não sei se um ponto, não sei se começo tudo de novo, não sei se desisto de vez e apago a luz. Escrever é como a vida. A vida também não é fácil. Pode ser qualquer coisa, menos fácil. E acredito que quanto mais o tempo vai passando, mais difícil vai ficando. Já agora não sei como continuar. De um lado há tudo o que já foi escrito. De outro lado há tudo o que ainda há por escrever. E tudo se confunde. Não sei se começo de novo o texto ou a vida. Já não sei mais do que falo. Viver e escrever é negócio muito perigoso, já dizia mais ou menos assim o poeta sertanejo. Não é fácil, e se não é fácil, porque é que eu insisto tanto em continuar tentando ao invés de apagar de vez a luz?

4 comentários:

jay disse...

Escrever ainda não é a tua forma de vida. Faz parte dela, mas ainda não te dá sustento. Não é uma forma rara de vida. Algumas pessoas vivem disso. Vivem para isso. Generalizando é como os músicos vivem explorando novos sons, ou os pintores procurando novas formas de misturar cores. Nunca vivi da pintura. Ganhei apenas algum dinheiro com ela. Hoje já não pinto. Não que me faltem cores, ou inspiração. Falta-me o tempo. Canalizei os momentos criativos em fotos e microfilmes que são mais simples de fazer. Criar é um trabalho complexo. É trabalhar a ideia. É carrega-la na cabeça e no coração como se de um filho em gestação se tratasse. Negar isso é negar a vida. Ponto final é olhar sem ver. Ponto final é deixar de sentir. Ponto final é não libertar um dom que tens e eu acusador, te culpo de não o querer mais. Tenho fome das tuas linhas, da mesma forma que sinto saudades de azul, ou verde ou de um traço firme de um esboço. Ou do sussurro de Rosa Passos. Ou do livro de Saramago que ainda não li. É verdade, viver não é fácil. Deixa-me olhar-te nos olhos para te poder gritar – NÃO PÁRES ponto de exclamação.

jay disse...

Olá Bru
Bju

Rodrigo disse...

A vida começa ser escrita em você. O que você passa pro caderno são resquícios de sentimentos que conseguiu passar pela fresta da linguagem.

Abraços querido!
Linkarei você!

Rodrigo .

karol Hasse disse...

Li muitos anos depois que você escreveu. Certo que escreveu muito mais depois disso. Mas adorei.