domingo, 10 de abril de 2011

A insustentável leveza do ser - Milan Kundera.


Para mim, mais difícil do que uma leitura pouco prazerosa é ter de escrever sobre uma leitura pouco prazerosa. Sempre ouvi falar muito bem de A Insustentável Leveza do Ser, de Milan Kundera, e não sei se devido a isso, fui cheio de expectativas ao ler a obra mas o sentimento que experimentei foi de frustração. Não que a estória seja ruim. Mas me pareceu uma literatura muito panfletária. O autor quer dar conta de um momento histórico crucial para seu país, e acaba fazendo da literatura um canal para expurgar seus demônios. Sei que Milan Kundera é romancista e pensador de renome internacional, mas por vezes, o romance parece interessar mais à História do que à Literatura. Descrições chatas sobre fatos históricos se misturam a opinião do narrador sobre esses fatos. Por vezes tem-se a sensação de estar lendo um livro de filosofia, ou de história crítica. A estória de Tereza, Tomas, Sabina e Franz parece apenas um pretexto para que o autor escreva sobre a opressão política que seu país vivenciou. Isso não quer dizer que o livro não seja interessante. É. Mas foge, a meu ver, um pouco à proposta de romance literário. Outros escritores conseguiram unir História e Ficção com maior maestria. Pelo menos do meu ponto de vista.

6 comentários:

Palavras Vagabundas disse...

Bruno,
obrigado! Me sentia solitária porque também não gostei de "A insustentável Leveza o ser", adorei sua resenha pois retrata bem a salada que ele fez dos assuntos.
bjs
Jussara

railer disse...

oi bruno, obrigado pelas visitas ao blog. quanto ao zigzag, como falei, eu tenho em espanhol. se quiser, te empresto.
abraços!
railer
http://raileronline.blogspot.com

fauller disse...

Olha querido.
Eu gosto muito das tuas resenhas, mas confesso que acho ótimo quando você declara em alto e bom tom quando uma leitura não foi das melhores, é, é engraçado a forma como conta. Fico imaginando o teu jeito inquieto, prestes a jogar o livro pela janela, rsrsrs. Não faremos isso nunca com os livros né?
Por pior que eles possam ser.
Bjo.

Debora Mota disse...

Você acredita que eu peguei esse livro emprestado uma vez e fiz o favor de perdê-lo não sei como? E nem cheguei a ler. Imperdoável. E agora você me lembrou desse drama da minha vida. Kkkk

Obrigada por sua visita em meu blog Opiniões de uma educadora. Desculpe não ter vindo aqui antes.
Um abraço

Marcos Campos disse...

Olá !!
Quem nunca ficou frustrado ante uma quase unanimidade?? Quem ??
Boa semana !!

Gell disse...

Adorei teu Blog ! Teus comentários são ótimos ! Esbanjas sinceridade!!! Estou te seguindo ! abraços!!